• B2Mamy

Dani Junco, CEO da B2Mamy em entrevista para a FORBES

Forbes Insider, por Angelica Mari e Gabriela Arbex


Confira a entrevista completa



Humanização é uma palavra frequentemente citada para descrever a nova realidade das relações desde a emergência do coronavírus. Fragilizados, profissionais expõem suas dificuldades pessoais, à medida em que se esforçam para continuar trabalhando e, ao mesmo tempo, negociar os efeitos da pandemia em suas famílias, comunidades e empresas.


Neste cenário, mães que lideram seus próprios negócios ou que atuam como profissionais em organizações estão respondendo a uma realidade que se tornou ainda mais desafiadora – já que mulheres precisam dar conta de seus lares, família e trabalho num contexto de home office. Mas como a digitalização atual tem impactado o lado humano deste novo jeito de trabalhar e viver?


“Empresas tradicionais foram forjadas com base em pilares como o presenteísmo, que sempre foi um forte indicador de desempenho. Com a transformação digital e a pandemia, a conversa sobre performance com base em entregas se torna mais palatável”, diz Dani Junco, CEO e fundadora da B2Mamy, aceleradora de negócios para mães empreendedoras.

Apesar dos inúmeros problemas pré-existentes que mães enfrentam para conquistar seus espaços no trabalho e que foram exacerbados pela pandemia, a empreendedora observa que mulheres com filhos estão atualmente demonstrando e validando dois de seus grandes atributos: a capacidade de cuidar e de se adaptar rapidamente à situações de crise.


“[Com a emergência da Covid-19] sai de cena a cordialidade e entra a intimidade, a questão de ter que tratar da saúde mental das pessoas e de cuidar delas de forma geral. Saímos da cultura do comando para a cultura do cuidado, e quem mais se envolve nestas questões são as mulheres que têm filhos”, ressalta Dani. “A capacidade de adaptação ao outro de forma veloz também é muito maternal e extremamente relevante nas atuais circunstâncias.”


Por outro lado, as competências socioemocionais típicas de mães não querem dizer que lidar com a atual situação seja fácil: o grupo que detém o poder em organizações, em sua maioria masculino, ainda precisa dar mais atenção às dificuldades que estas mulheres estão enfrentando no contexto atual.


Segundo Camila Santos, consultora de aquisição de talentos na consultoria de diversidade B4People, a situação de trabalho remoto é de extrema pressão para intraempreendedoras, profissionais sêniores que não raro estão na linha de frente do desenvolvimento de produtos e serviços e, consequentemente, da resposta destas empresas à crise.


“Se, por um lado, vemos uma aparente empatia com respeito à, por exemplo, presença de crianças em calls no Zoom, na prática estas mães estão sendo mais cobradas: a empresa entende que a mulher está em casa e portanto precisa produzir mais”, aponta. “Ninguém quer ficar para trás, especialmente numa situação de crise. Mas estas mães estão sobrecarregadas, e ainda não vejo uma atitude concreta sendo tomada sobre isso”, acrescenta, ressaltando que ações como pesquisas de clima são necessárias para que empresas possam entender o contexto individual de cada mãe e tomar decisões como permitir jornadas remotas mais flexíveis.


Dani Junco: a pandemia trouxe o surgimento da “cultura do cuidado”


APOIANDO A DIGITALIZAÇÃO

No que diz respeito às mães que tocam seus próprios negócios, a pandemia provocou uma grande transformação digital em mulheres que têm filhos e lideram seus próprios negócios. Segundo Dani Junco, a reinvenção é palavra de ordem no ecossistema da B2Mamy, e a própria startup, cujo modelo de negócio tem eventos como um de seus pilares, tem passado por este processo.


Existe diferença, no entanto, entre mães que possuem um colchão financeiro e traquejo tecnológico, e as que dependem da continuidade de seus negócios para sobreviver e não tinham tanta dependência de ferramentas digitais: “As que já empreendiam antes tiveram que fazer uma movimentação de pensar em produtos e serviços e usar tecnologia para fazer isso acontecer”, explica.


O segundo grupo inclui mulheres que se viram obrigadas a encontrar formas de digitalizar seus produtos e serviços, muitas vezes ofertados de forma predominantemente presencial. Segundo Dani, muitas destas mães partem de uma condição de “analfabetismo digital” e tem muita dificuldade no processo.


“[Mães empreendedoras] que já tinham mais contato com tecnologia são uma parcela muito pequena da sociedade. As que não tinham conhecimento além de Facebook e Instagram tiveram que virar a chave e muitas não estavam preparadas para isso”, aponta.


Segundo Dani, a B2Mamy já fez 18 encontros virtuais desde o início da pandemia para tentar apoiar o processo de digitalização da sua rede de empreendedoras. Refletindo sobre os relatos feitos por mães nestas conversas, ela ressalta que um dos desafios frequentemente citados tem a ver com a falta de apoio de companheiros na pandemia.

“Os homens também estão trabalhando de casa, mas muitos continuam fazendo suas videoconferências e mantendo suas próprias dinâmicas de escritório, mesmo com as crianças o dia todo em casa”, conta.


Existe um grande número de plataformas digitais oferecidas de forma gratuita durante o atual período de emergência que podem ajudar mães a alavancarem seus negócios. Ao mesmo tempo, porém, Dani nota que essa enorme disponibilidade de ferramentas pode apresentar barreiras, principalmente para mulheres que não têm familiaridade com tecnologia.


Ciente das complexidades tecnológicas de uma parcela das mães, a B2Mamy tem atuado como curadora, associando tecnologias e profissões emergentes às habilidades destas mulheres ou retreinando, com o objetivo de gerar renda e empregos.

Já existem histórias de sucesso: “Uma das nossas empreendedoras, que faz serenatas, saiu de um faturamento de R$ 3 mil para quase R$ 40 mil usando tecnologia e ganhando escala com gravações digitais”, conta Dani.


Sauanne Bispo: ajudando mães da periferia a se reinventarem com tecnologia


ALÉM DO PRIVILÉGIO


Apesar da importância da tecnologia para a sobrevivência de negócios de mães na crise, Dani ressalta que é importante não aplicar a mesma lógica a todas as mulheres que enfrentam a necessidade de digitalização para garantir o sustento. Segundo a fundadora da B2Mamy, muitas mulheres, especialmente negras e em regiões carentes, estão distantes da realidade conectada e possibilidades de mães brancas e privilegiadas.


Buscando ajudar a endereçar estes problemas, a startup se uniu às empresas Wishe, Filhos no Currículo e BBO, que se preparam para lançar, no dia 30 deste mês, um programa de educação na área de tecnologia para mães da periferia. O Womby fornecerá educação subsidiada para as participantes, que receberão uma bolsa durante um período de quatro a seis meses para realizar as atividades e estudar. A iniciativa conta com R$ 100 mil de recursos que incluem crowdfunding, mas busca apoio institucional para garantir sua evolução e continuidade.


Segundo a diretora de operações da Womby, Sauanne Bispo, antes de tratar a capacitação técnica para equipar mulheres com filhos para as profissões do futuro, o programa inclui um processo que busca trabalhar a percepção das mães da periferia quanto às possibilidades oferecidas pela digitalização e romper uma série de paradigmas.


“Vamos trabalhar não só ferramentas tecnológicas, mas os soft skills necessários para reforçar a consciência dos espaços que podem ser ocupados por essas mulheres periféricas,” aponta Sauanne, que também é coordenadora de nova economia e desenvolvimento territorial na Fundação Tide Setúbal, que tem um espaço, o Galpão ZL, voltado à população de São Miguel, na zona leste da capital paulista. “É muito comum que estas mulheres sejam babás e domésticas e é difícil que elas se enxerguem como empreendedoras que usam tecnologia para exercer seu trabalho.”

“Queremos trazer novas perspectivas para estas mulheres, que muitas vezes têm suas patroas como referências, de que podem ir além e ter autonomia para prestar serviços a outras pessoas ou empresas sem sair de seus contextos periféricos”, explica. “Quando esta barreira psicológica é rompida, e o processo é conduzido por pessoas semelhantes, que entendem as histórias destas mulheres, o aprendizado tecnológico flui.”


Sauanne conhece bem o impacto positivo que a digitalização pode trazer. Sua agência de viagens e experiências especializada em países africanos, a Go Diáspora, foi alavancada com uso de tecnologia e redes sociais. Com a pandemia, ela está reinventando o negócio, também com ferramentas digitais.


“Se existe uma característica central de mães e mulheres é a resiliência. Em uma pandemia, precisamos utilizar recursos tecnológicos a nosso favor”, aponta. A ideia é trabalhar com o lúdico e criar experiências virtuais, e assim expor potenciais turistas à países que nunca visitaram, antes da viagem propriamente dita.


“O propósito [da Go Diáspora] continua mesmo nessa fase de isolamento social e restrição geográfica: quando tudo isso terminar, uma das coisas que vamos querer é exercer nossa liberdade.”



Pesquisa revela o comportamento online dos jovens durante a pandemia


Millennials e centennials, jovens adultos entre 18 e 34 anos, estão entre os consumidores que nutrem as maiores expectativas em relação à proatividade das marcas. A constatação é da 7ª edição do Kantar Thermometer, estudo realizado em mais de 50 mercados em todo o mundo que revelou que 48% das pessoas dessa faixa etária esperam que as marcas sejam exemplo e guias de mudança, enquanto 39% almejam que elas usem seus conhecimentos para explicar e informar sobre o atual cenário que estamos vivendo.


Os hábitos de consumo de mídia das gerações mais jovens também se acentuaram com o distanciamento social. TV e canais digitais têm atenção dividida e amplificada entre eles, como fonte de entretenimento e informação.


Com seus desafios que geram engajamento em massa, o TikTok se tornou uma forma de entretenimento rápido e de socialização digital em tempos de isolamento para os mais jovens, mas o uso do YouTube e Instagram continua crescendo devido ao aumento das lives – transmissões ao vivo que incluem exercícios, receitas de culinária e, claro, os shows de música. Segundo o levantamento, 35% dos entrevistados entre 18 e 34 anos usam o TikTok, 69% o Instagram e 87% o YouTube.


Quando perguntados como a situação atual do novo coronavírus impactou seus hábitos de compras online, 39% dos millennials e centennials disseram que elas aumentaram em relação ao mês anterior e 47% relataram que devem aumentar suas aquisições no futuro – índices maiores do que os das demais faixas etárias.

O Nexus, hub de inovação do Parque Tecnológico São José dos Campos, recebe, até o dia 11 de maio, as inscrições para o Batch#15, processo seletivo de novas startups. Podem participar desde empreendedores com ideias ainda no papel até startups já estabelecidas. Os candidatos passarão por duas etapas de avaliação – modelo de negócio e poder de execução – além de workshops e pitch. O programa de incubação é de até dois anos e o de aceleração dura até um ano. No instrumento de seleção estão todas as informações.

A partir das 16h de hoje (7), a Associação Brasileira de Internet das Coisas (Abinc) realizará o webinar “Soluções de mobilidade e IoT, uma Oportunidade nos Tempos de Crise”, com Daniel Fuchs, responsável pela estratégia e inovação na Datora Telecom e Arqia. Entre os temas, cases de empresas que usaram a tecnologia em setores como mobilidade urbana, telemedicina, rastreamento automotivo, meios de pagamento e segurança. O evento é gratuito, basta fazer a inscrição.


A Amazon Web Services (AWS) vai realizar, pela primeira vez no Brasil, a AWS Initiate Digital Week, evento online de 12 a 14 de maio para discutir como alavancar negócios usando a nuvem. Dividida em três datas, a iniciativa terá sessões de estudo de caso e análise de mercado (dia 12), sessões técnicas (13) e sessões de negócios (14). As inscrições são gratuitas e abertas ao público.


Fernando Fernandes, um dos fundadores do The Good News Coronavírus, portal que divulga iniciativas e boas notícias em relação à pandemia, e o médico Leandro Rubio, um dos fundadores da health tech Missão Covid, falam sobre solidariedade, positividade e bem-estar no enfrentamento à crise no Instagram da Missão Covid, hoje, às 18h.


MAIS:

– A Rappi notou um aumento de 50% no percentual de usuários da plataforma de entregas que estão dando gorjetas, principalmente aos finais de semana. Segundo a empresa, os valores, na média, cresceram 80% e mais pessoas estão dando acima de R$ 5 – na opção “outro valor”. A Rappi não abre o valor repassado aos entregadores. O aumento se refere à operação nacional e foi verificado na comparação entre a segunda quinzena de março e a primeira quinzena do mesmo mês, quando medidas de quarentena tiveram início em diversas partes do país. Além disso, foram identificadas semanas onde 50% dos pedidos tiveram gorjetas. O iFood dobrou as gorjetas no mês de abril e repassou R$ 2,2 milhões a mais em abril para os entregadores que operam pela plataforma;


– A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) selecionou três Institutos SENAI de Inovação (ISI) para ingressar em sua rede de Unidades EMBRAPII: o ISI Biossintéticos e Fibras, o ISI Química Verde, ambos na cidade do Rio de Janeiro, e o ISI Materiais Avançados e Nano Compósitos, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. As novas unidades terão disponíveis R$ 18,7 milhões da EMBRAPII para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) em parcerias com empresas brasileiras;


– O Uber Eats anunciou hoje uma ferramenta que permite ao cliente compartilhar as informações sobre um pedido com quem ele quiser, por meio de um link. Assim, o destinatário pode ver, em tempo real, o momento em que a encomenda deixa a cozinha e também quando ele deve se dirigir à porta recebê-la. Outra novidade é a inclusão de duas novas lojas online de flores no aplicativo: a Nova Flor, que, até domingo, vai entregar buquês e vasos pelo Uber Eats nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Porto Alegre, Curitiba, Fortaleza, Recife e Salvador, e a WeFlores, na cidade de São Paulo;


– Com 38 milhões de usuários ativos por mês no Brasil, o Pinterest anunciou ontem (6) novos recursos de planejamento para tornar a organização mais fácil para os usuários colocarem em prática as ideias que encontrarem. Desde o início de março, a plataforma tem observado um aumento global do engajamento de seus usuários. As pesquisas no aplicativo aumentaram quase 25% em todo o mundo, enquanto o engajamento com as pastas cresceu quase 75% em termos anuais e, aproximadamente, 50% no comparativo mensal. Os novos recursos permitem adicionar notas às pastas (para criar, por exemplo, uma lista de ingredientes ou de tarefas em um projeto), definir datas para controlar o andamento de projetos e receber recomendações no momento certo, agrupar os Pins automaticamente em subpastas para organizar as ideias por temas e traz novos modelos com sugestões de subpastas;


– A Sinqia, empresa que oferece soluções de tecnologia para o mercado financeiro no Brasil, passou a integrar o Índice Small Cap (SMLL), que reúne as empresas mais negociadas com menor capitalização de mercado da bolsa brasileira. Elaborado e divulgado pela B3, o índice contribui para uma potencial expansão da base de investidores e o aumento da liquidez das ações. “A entrada no SMLL certamente aumenta a visibilidade da companhia e deve atrair investidores institucionais que desejam replicar a carteira do índice, o que deve impulsionar ainda mais o volume diário negociado do nosso papel”, comentou José Leoni, responsável pelas relações com investidores da companhia.



0 visualização

Tel: (11) 942352721

contato@b2mamy.com.br

Rua Mateus Grou, 576 Pinheiros - São Paulo - Sp

Use as # nas redes sociais

#b2mamy

#b2manas

#soulb2mamy

#juntasomoscasa

#botaelasnopalco

#fightlikeamother

#vemprab2mamy

#casab2mamy

Nos acompanhe

  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone LinkedIn
  • Preto Ícone YouTube
  • Whats App

Operações Suspensas Temporariamente - COVID-19

Com base nas mais recentes atualizações de políticas da B2Mamy e em consideração à saúde e segurança pública em geral, decidimos fechar a Casa B2Mamy e suspender todos os eventos abertos ao público até novo aviso.

Assine a nossa newsletter
Whatssap.png