top of page

Edtech Xah com Mariaz oferece programa para mulheres empreenderem no mercado de cannabis

Atualizado: 27 de jan. de 2023

Heempreenda Xah! é composto por três módulos e traz mentorias e exercícios práticos com referências no setor

Foto das empreendedoras Katia Cesana CEO (à esq.) e Danila Moura, COO da Xah com Mariaz


As projeções para o crescimento do setor de cannabis são cada vez mais promissoras. A tendência é mundial e o Brasil já se adianta para a demanda em muitas áreas. Para se ter uma ideia, o país pode movimentar R$ 26,1 bilhões até 2025. A projeção feita pela agência Kaya Mind, especializada em inteligência de mercado no setor, também revela que essa indústria tem potencial de arrecadar R$ 8 bilhões em impostos no mesmo intervalo de tempo e criar mais de 117 mil empregos.


Uma pesquisa da BRCANN mostra que 41 mil pessoas têm autorização para importar medicamentos à base de cannabis. Porém, mais de 13 milhões de brasileiros, com diferentes patologias, poderiam se beneficiar da cannabis medicinal de acordo com a Anvisa.


Ou seja, existe um potencial de mercado gigantesco que a cada expansão gera a necessidade de uma série de produtos e serviços especializados em cannabis para atendê-lo.


Por exemplo, marketing digital e conteúdo canábico são áreas muito complexas e com alta demanda por serviços e agências especializadas que atendam empresas canábicas, porque além da escassez de conhecimento sobre os benefícios da planta, existem as limitações impostas por algoritmos em relação ao tema na maioria das redes sociais e ferramentas de marketing.


Há demanda por fintechs e serviços da área financeira voltados para câmbio, importação de medicamentos e crédito especial para empresas e instituições do setor, pois os bancos tradicionais não reconhecem e não atendem as necessidades do nicho. Escritórios de advocacia especializados em assuntos regulatórios e empresas canábicas também são vitais para viabilizar o crescimento do mercado.


Hoje, é possível importar o tecido de cânhamo e o fio para produzi-lo aqui no Brasil. O cânhamo gasta menos água no cultivo do que o algodão, enriquece o solo e o tecido é mais resistente e durável do que o feito de algodão.


Na parte de cosméticos e bem-estar, pode-se utilizar nas formulações terpenos, outras substâncias que estimulam o sistema endocanabinoides como o CBA (Cannabinoid Active System) ou até importar itens com fins medicinais prescritos por um dermatologista.


Outro setor fundamental é de educação, pois o conhecimento pelo tema da cannabis é pouco comum entre o público geral e conforme mais profissionais da saúde podem prescrever cannabis, aumenta a demanda por cursos e especializações no segmento.


Ainda é possível atuar na parte de tecnologia na produção de maquinários, softwares e soluções digitais para indústria canábica de saúde.


Conforme dados da Fiocruz, mais de 16 milhões de brasileiros já consumiram cannabis de forma recreativa, cujo setor do uso adulto é atendido de forma totalmente lícita por headshops, produtos de tabacaria e redutores de danos, como sedas, piteiras, pipes e bongs. Itens de growshops para auto cultivo como estufas, fertilizantes e luzes têm a venda permitida no país. Ainda há o setor de turismo canábico para países regulamentados, design de embalagens, criação de eventos dedicados ao tema, etc…


As possibilidades atuais são muitas e a perspectiva é de um boom no setor quando for regulamentado o PL 399/2015, que irá permitir o cultivo da cannabis medicinal no país além do cânhamo e a produção de seus derivados, como tecido, papel, biocombustível, cosméticos, concreto, alimentícios e muitos outros. Quem sair na frente antes do PL, com certeza terá mais vantagem ao não enfrentar a concorrência enorme que será gerada depois da aprovação. Agora existe mais chance e tempo para criar uma comunidade, fortalecer um branding e se tornar referência no setor de atuação TRENDS INTERNACIONAIS Uma forte tendência é não separar mais o uso recreativo do medicinal, pois todo consumo da cannabis tem benefícios para a saúde, apesar do consumo pela versão fumada não ser o mais indicado para os pulmões, vaporizadores, comestíveis, pílulas, pomadas e óleos causam menos danos.


Outras formas de utilização da cannabis estão ganhando cada vez mais espaço nos EUA e Canadá, como uso de tiras sublinguais infusionadas com CBD com doses mais precisas do que gotas, bebidas infusionadas e cigarros pré-enrolados de flores (buds) com CBD.


Também existe um aumento expressivo de interesse do mercado pelo público feminino Gen Z , cuja venda anual de cannabis para mulheres dessa geração aumentou 151% em 2020, conforme dados da consultoria Headset.


O mercado em breve vai precisar de pessoas especializadas no tema e, para dar uma luz edtech Xah Com Mariaz, hub de inovação e hempreendedorismo que direciona mulheres a empreenderem no mercado canábico por meio de uma comunidade acolhedora, traz o programa Hemprenda Xah!, que será realizado online nos dias 14, 21 e 28 de maio.


O projeto foi desenvolvido durante a pandemia, quando a atuação das mulheres como empreendedoras aumentou 40% no Brasil. Os motivos: a impossibilidade de jornada dupla das mães no formato home office e aumento do desemprego.


Composto por três workshops com facilitadoras que são referência no meio canábico, o Hempreenda Xah! direciona mulheres para empreender no mercado da cannabis com exercícios práticos, mentorias e conteúdos exclusivos.


O programa conta com três módulos: Inspira (14/5), Respira (21/5) e Não Pira (28/5).


A mediação e coordenação do programa são feitas pelas empreendedoras e fundadoras da startup Katia Cesana e Danila Moura. As atividades têm participações de Damaris Ribeiro, Head de Inovação da The Green Hub, Cintia Vernalha, Colunista do Sechat e Cannabis Business Advisor que atua na Flórida (EUA) e Lorraina Lourenço, TI e Head de Marketing Digital do Girls in Green.


Nas atividades, as participantes aprendem tirar as ideias do papel e dar os primeiros passos para colocar em ação um projeto canábico básico, que pode ser inscrito em aceleradoras e editais.


“Quem já tem uma ideia em fase inicial de desenvolvimento, pode encontrar no Hempreenda Xah! o caminho para potencializar resultados, além de uma rede de apoio acolhedora com mulheres interessadas no setor de cannabis. Além das aulas, o Hempreenda Xah! é um espaço empoderador para formação de networking e troca de conhecimentos”, conta Katia Cesana, CEO da Xah Com Mariaz.


Abaixo, os temas abordados em cada módulo. A duração é de quatro horas por sábado e quem adquirir os três dias ganha um bônus, que inclui a seleção dos cinco melhores pitchs para uma mentoria coletiva com uma especialista da B2Mamy e também uma mentoria exclusiva com as fundadoras.


Inspira 14/5 - 15h

Introdução ao mercado de startups canábicas com Damaris Ribeiro (Head de Inovação da The Green Hub)

- Construção de autoridade

- Storytelling

- Missão, Visão e Valores

- Exercícios práticos




Respira 21/5 - 15h

Introdução ao marketing digital canábico com Lorraina Lourenço do Girls in Green

- Problema e Solução

- Job to Be Done

- Persona

- Exercícios práticos




Não Pira 28/5 - 15h

B2B e B2C com Cintia Vernalha

- Modelo de negócio

- MVP

- Roadmap

- Construção de pitch deck de startup

 

A Xah com Mariaz é a primeira startup brasileira a oferecer formação no mercado da cannabis exclusivamente para mulheres. Criada em 2021 pela produtora cultural Katia Cesana e pela jornalista e terapeuta canábica Danila Moura, a startup viabiliza programas, cursos e mentorias focada no empreendedorismo feminino no mercado de cannabis.


Com aceleração em parceria com o Google for Startups, graças a participação no programa Pulse, da B2Mamy, hub focado em desenvolvimento de startups para mulheres e mães, as empreendedoras também contam com a aceleração do Founder Institute, que é e a maior aceleradora de startups do Vale do Silício (EUA) e incubação pela The Green Hub.

Desde o início das atividades, a Xah já impactou a vida de mais de 50 mulheres através da educação Hempreendedora.


A meta é triplicar esse número em 2022.

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page